quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

às vezes...

eh pa até que não estava mal disposto...
agradava-me o convívio e a paisagem,
agravam-me muitas coisas (decotes, cerveja preta e uma musica dos Pearl Jam)
até eu mesmo dizer- estou farto desta merda!
sentado ali tão quieto mas bem disposto...
fervilhando em pensamentos tão definidos como a tua linha de raciocinio na ultima sexta feira
(14 imperiais e um kinder surpresa...)
seria mau se estivesse só e saturado da companhia, mas não, encontrava-me acompanhado mas com algo fora do eixo...

algo desconcertante...

mas espera que me apanhei a tempo antes de me repetir novamente em mais do mesmo,
antes de exteriorizar camuflado numa piada estonteante - da qualidade ou da ausência dela?
antes de mascarar em fuga emocional do que já devia estar há muito enterrado no passado...
(não, não falo de nenhuma gaja pois a ex enterrei emocionalmente e fisicamente o cadáver na mata de... pera... isto pode servir como prova... ah... a ex? nunca mais a vi...)

disfarçava o ímpeto emocional do instante num sorriso piadético, numa tirada porca e badalhoca, gira e apresentável aos amigos mas não aos pais - já disse que não estou a falar da porra da ex xiça!
disfarçava o mau feitio e as saudades do Lisandro Lopes,
disfarçava o disfarce

silencioso nas trevas,
silencioso entre os vultos que não conheço e que me rodeavam na luz ténue
silencioso mas não desiludido, nem triste e abatido, apenas...

apenas estava a ver-me distante.

espectador de mim mesmo.

espectador dos pensamentos que me assolavam e tentavam vergar.
ah... bons velhos tempos em que aguardava algo (alguém?) que salvasse e arrebatasse- e desse sentido a toda a situação...

como se me cantarolassem uma música que ouviram na rádio sem saber o artista e a coisa não me soa estranha, é familiar e acho que conheço a letra... mas não sei dizer o que é

mas já ouvi isso em qualquer lado...
já senti isto em qualquer lado...

(e não é efeito da cerveja...)

(ou de um kinder supresa)

não era o cheiro familiar que nos arranca um sorriso,
não era apanhar-te a cantar o Dancing Queen e e desfrutar disso mesmo sem notares a minha presença até já ser tarde demais para teres qualquer reputação a salvar- e fitares-me no susto com a carinha de quem sabe que não vou perder a oportunidade de partilhar com um vasto público os dotes e gosto musical...

para alguma coisa inventaram câmaras nos telemóveis...

e o youtube...

era algo que reconhecia e desgosto - é o desgosto de não gostar, não é o desgosto de saber que a Joss Stone é vegetariana...

ela tinha que ter defeitos...

(leitor:mas André, o vegetarianismo é um defeito?
André: É! implica idas aos restaurantes do género, implica desistir na fantasia em que desnudava a Joss stone, ela entornava molho da portugália no peito acidentalmente que lhe retirava com a lingua e depois agarrava nas batatas e enfiav...

...

... também envolve bacon, um kinder surpresa e morangos...

...um homem tem que ter fantasias...)




- o autor do blog assume a sua imutável posição sobre o Vegetarianismo, Bitoque rula -

era algo que preferia não sentir, não pensar. não remoer, não perder tempo a lembrar-me sequer...

melhores dias seguiram-se, melhores dias no intervalo deste instante que relato e o igual que tornou este familiar como memória passada, melhores e grandiosos dias

demasiado mais melhores bons para eu deixar-me vencer assim tão facilmente - enquanto houver cerveja...
não vou ser sempre assim tão jovem e bonitão, não vou ser sempre assim...tanta coisa tão boa que não sei porquê nenhuma me ocorre à mente para dar um exemplo...

(FAIL!!!)

há cerveja, há Pearl Jam, há um decote que trás um sorriso direccionado e muito tempo a preencher até me ir daqui embora - e porque não um pouco de convívio?

(ahaha convívio, ya... nós falamos, amigamos, aturamos as mulheres pelo convívio...quero conhecer as mulheres pelo que elas são, a pessoa, a alma delas... longos passeios na praia, escutar o mar, olhar e perder-me nos seus olhos...

...

não, não vou desenvolver isto para a teoria de que um gajo tudo o que realmente gosta de fazer enquanto pessoa é com os amigos gajos que faz, com a namorada/amiga-potenciais parceiras sexuais está a fazer companhia à vagina dela no intuito de aceder à mesma... e não vou porque não quero hipotecar a minha pessoa com o sexo feminino- com todas as 3 que ainda não me conhecem ou não leram o meu blog)

temos aquela franja fofa e sexy, o teu rosto meio rosado ou do calor, ou de me veres avançar na tua direcção confiante - ou então tás com gases...
temos todo o tempo do mundo para fazer todas as coisas que nos apetecer e tu deixares acontecer - e olha que me apetecem umas quantas coisas ilegais no mínimo em 8 continentes
é que eu ás vezes...

eu ás vezes até que estou bem disposto...
e...
às vezes...
não é apenas da cerveja.

e tu...
tu és um doce na minha boca...
como um chocolate...

tu para além de um chocolate também és um brinquedo!




nota- o Autor, gestor, criador, escritor e mestre lider supremo mega kickass awesome fantástico (fabuloso era gay) incrivel douto e ultra divino perfeito semi-deus já devia tar a dormir portentoso e quase por estrear mas em grande forma deste blog não sabe muito bem o que aconteceu no post que acabou de escrever- estou falar de mim mesmo à jogador de futebol, I'm Awesome - e como tal presumo que me irei arrepender à posteriori do texto, vou acordar olhar e envergonhar-me, e não... não estou a falar da ex...

as minhas sentidas desculpas a quem perder o seu tempo a ler este texto, amanhã - se me lembrar - vou escrever um texto magnifico o que será portanto uma estreia no blog.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Elegia (o meu pai vai-me matar)

O MEU PAI VAI-ME MATAR!!!!

acordou em sobressalto, afastou-o, empurrou-o e abanou-o violentamente até o ver reagir

- Acorda! acorda que são sete horas!!

tirou a camisola dele que tinha vestida, vestiu o soutien, o top e o casaco -veste-te! acorda, faz qualquer coisa!

- heeey... (bocejo) bom dia... calma... eu...

Levou a mão às costas dela , deslizou-a ternurento até ser prendado com um estalo- caaaaaaaalma, o que tens?

- VESTE-TE!!!! ah... doi-me a cabeça... o que fui fazer! eu não faço isto! eu não sou isto! que vergonha!!

- ontem não tavas com vergonha nenhuma quando te...

fitou-o intensa, fitou-o e as gaivotas assustaram-se no areal, o mar tombou e enrolou devagarinho, quase em surdina, o vento deu meia volta e soprou para outro lado não fosse sobrar para si, fitou-o e vincou-lhe a certeza que mais uma palavra e saia no jornal como vitima de um terrível e doloroso homicídio, era esperto, calou-se

-estou quilhada... o meu pai vai-me matar... veste-te e leva-me a casa... tu desgraçaste-me!

- eu? eu não te fiz nada.., quer dizer, fiz... mas foi consentido...

acertou-lhe no meio das pernas

- as minhas botas? onde meteste as minhas botas????

abriu a porta do carro e encontrou a bota direita debaixo do veiculo, encontrou também uma peça de roupa pequena, rendada e preta, com buracos para por as pernas, hesitou no gesto tentando lembrar-se do momento em que lhe tinham sido retiradas do corpo, corou, recordou e fechou a porta que estava estupidamente frio e ainda não se encontrava com o traje completo

- oh meu deus... o que fizemos... como é que és capaz de me desgraçar assim...

- tu bateste-me ... tu bateste-me no...

-eh pá não sejas amélia, já tás despachado? eu tenho que ir para casa! ahh que me ligaram... espera... OITO CHAMADAS NÃO ATENDIDAS ! eu estou lixada... veste-te! veste as calças!

deslizou entre os bancos para a frente do carro, deu-lhe um coice quando sentiu a mão dele apertar-lhe os glúteos dentro dos jeans desalinhados na pressa e falta de espaço no banco de trás para se vestir

- eu mato-te... veste-te... despacha-te!

atirou-lhe o téni que encontrara no banco quando se sentou - calça-te!

- mulher... primeiro tem calma, isto não é assim. Estou cansado e dorido e acabei de acordar... e não sei do outro téni e eu gosto de mimos quando acordo, sou um gajo sensível... não gosto de acordar assim após uma noite de amor...

desviou-se do téni que era par do primeiro, calçou-se e deslizou para o lugar do condutor. Sentou-se e suspirou

- mas tás à espera do quê???

- de me lembrar onde pus a chave do carro

- estás a gozar comigo... estás a fazer de propósito!

- não... vê na tua mala se não estão lá dentro, ou no teu casaco

- estão no bolso das calças... - levantou-se e retirou-as entregando-as- e não me peças para te explicar como lá foram parar

- como é que minhas chaves do meu carro foram parar ao bolso do cu das tuas calças?

- pensa.. lembra-te que estavas grudado a uma certa parte do meu corpo quando tentávamos entrar no carro... abriste a porta e deixaste-as no bolso mais à mão...

- eu sei, queria era ouvir-te a explicar e... ok ok eu ligo o carro! para de me bater, ontem era um rodopio, eras fofa... tipo um panda num ponei cor de rosa com uma t-shirt da kitty ou como se chama a porra da gata

- o meu pai vai-me matar...

- queres que fale com ele? queres que vá lá contigo para o enfrentar?

- fazias isso por mim? vinhas comigo e ... e dizias o quê ao meu pai?

-o plano era tu falares e eu tar lá para dar uma de espírito de equipa e confirmar a tua história... não ir cara a cara pedir-lhe a mão da filha

- porquê? não és capaz de falar com o meu pai? só me queres para...

agrediu-o no ombro, ele refilou que estava a conduzir, orientou-se dentro do possível das femininas instruções de transito até concluir que se safava melhor sozinho sem lhe dizer, deixou-a indicar um percurso que já delineara mentalmente tendo o cuidado de colocar o pisca depois de lhe perguntar se era para virar à direita.
Estacionou onde era mais dificil, dois lugares adiante e seria gesto feito à primeira, mas ao esboçar uma ideia diferente da que ela lhe indicara e ao ser prendado com uma forte contestação ás sugestões que lhe dava, lá manobrou ao jeito dela umas quatro a cinco vezes atrás e adiante até travar a viatura onde agradava à madame.

- eu tou a cheirar... oh meu deus! ele vai perceber!

- que a filha é uma rameira?

- foda-se, eu não acredito que disseste isso...

Aproximou-se ao rosto sério, furioso que o fitava, aproximou-se disposto a encaixar o lendário gancho de direita dela, disposto a avançar até lhe dar um beijo e arrancar-lhe um sorriso pelo meio.
Enfaixou-se na bochecha, virara-lhe o rosto, segurou-a no pescoço, roçou-lhe a barba por fazer até lhe desfazer o nó de mau feitio e birra de sono e se perder nos lábios dela.

- Eu... eu gosto de ti, eu quero-te e sublinho tudo o que te disse ontem, sublinho a cor de rosa ou a canetas de cheiro... o que quiseres, mas eu gosto de ti e se o teu pai me bater com um taco ou com uma cadeira, ou até se for criativo e usar a maquina da nespresso

-ele tem porte de arma...

- o quê???

- tava a brincar... continua

- isso... foi maldade pura...

- oh... dás-me assim um beijo à força, retiras-me da minha cara séria, é suposto eu comportar-me sou uma senhora de respeito ... e nem te atrevas a um comentário porno sobre o que fizemos ontem...

... ou ante ontem...

... ou quarta no camarim do el corte inglês...

... ou na escadas do teu prédio segunda... ah merda, esquece...

dizias?

- que despenteada assim, meio selvagem como estás agora me põe-me... esse teu corpo meio quente e embalado pelo abraço do meu dá-me vontades pecaminosas...

Saltou e esbugalhou os olhos assustada, abriu e vasculhou em pânico a mala king size até retirar o telemóvel...

- oh meu deus... oh meu deus... é o meu pai! aahh medo... medo medo... estou ? pai? estou à porta de casa, sim... não... não... sim, eu ia entrar agora, oh pá... não tens noção do que me aconteceu... ah? sim, subo já e falamos, olha... veste-te que vais conhecer uma pessoa... ele explica-te.

desligou, fitou-o comprometida

- então e agora? que desculpa é que eu lhe dou? o que lhe digo que aconteceu?

inclinou-se para o corpo dela

- está descansada que eu vou lá para o enfrentar, homem para homem!

- és tão engraçado- raspou-lhe a barba com a ponta das unhas- foda-se que essa barba põe-me quente

- queres...

- como consegues pensar em sexo numa altura destas...

saiu do carro e abriu-lhe as mãos para que acelera-se o passo, para que organiza-se o desalinho da roupa no corpo, tentou desenhar-lhe o penteado atrapalhando, tentou fazer tudo mais depressa

-espera, não ponhas a chave, toca à porta

- mas eu tenho a chave...

- não, ontem não tinhas a chave, esqueceste-te dela em casa, na tua ou de uma amiga... mas ontem tiveste o azar de sair sem ela

- mas vou estar a tocar à porta e acordar a minha mãe para quê se tenho...aaahhh tu és ... genial!

Tocaram, aguardaram e escutaram-lhe o pai.
Entraram no elevador e não conteve o susto

-põe a merda do cachecol no pescoço! já!

- porquê? oh porra... isto... isto tá tudo marcado! foda-se mais à tua mania de me morderes o pescoço... e olha-me para este chupão! isto tá... LINDO!

- o meu pai mata-me, se te vê com isso vai perceber... tapa isso já!

Envolveu o cachecol, envolveu o corpo dela e abraçou-a, deu-lhe um beijo na testa, no rosto e depois na boca. Inspeccionou-lhe o corpo minuciosamente dentro do tempo que a ascenção ao quarto andar permitia.

No meio da confusão de braços e roupa, lambeu-lhe a língua com a sua, puxou-o pela roupa para si, puxou-o para longe quando a porta abriu.

Pensou em deixa-la sair primeiro, para lhe inspeccionar visualmente o rabo, ver se estava tudo ok, pensou em deixa-la sair primeiro para fechar a porta e efectuar uma rápida fuga para longe da situação, para não encarar o homem, para não descobrir se ele tinha uma caçadeira e uma pá, um terreno baldio onde esconder o corpo.
Pensou em no que ia dizer, que se enquadrasse na hora e na sua presença ali, na pureza das suas intenções sobre a filha dele...

...pureza das suas intenções...

...

nas respeitosas intenções sobre a filha...

...respeitosas...

...

virou-se para trás, virou-se para uma ultima palavra, um ultimo desabafo antes de entrar dentro de casa, encarar o mostrengo e olhar reprovador do pai, antes de se ver num julgamento, de já mulher e crescida justificar-se como adolescente ao sair para um café a meio da tarde antecedente ao jantar de família e efectuar o regresso no dia seguinte a horas indignas de uma respeitosa moça de família.

Virou-se, fitou-o...sorriu

- o meu pai vai-me matar...