sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

The Hobbit - Desolation of Smaug

 


"Meh..." Pensei no final do primeiro acto do filme, o filmes está a ser "Meh".
Não consegui aceitar a ideia, não fazia sentido eu estar tão desligado, tão pouco enamorado por um filme do senhor dos aneis.
Sou suspeito, indiscutivelmente sou.
Gostei dos livros, da trilogia.
Adorei o Hobbit que encontrei com o preço em escudos e páginas amareladas a cheirar a velho numa papelaria de bairro ali para os lados  do mercado de Alvalade.
Li o Silmarillion sentado na janela do meu atelier, à espera que trouxessem a madeira do chão, recordação que tenho do começo da minha empresa associada aos livros do Tolkien.
Joguei e voltei a jogar os jogos Battle for middle earth, todos eles e este filme...

Não é meh, é pior que meh, é o pior de todos os filmes.
Aceitei as alterações no primeiro, os acrescentos na espectativa de trazerem algo à narrativa- que eram desnecessários acrescentar, a história original por si só funciona.

Neste...
Não um, mais dois orcs bonitinhos sem a menor justificação.

Legolas? Era o legolas? Não, não era.
(Touxe apenas uma piada fantástica e de resto é uma personagem diferente do Legolas da saga original, irreconhecivel)

Infelizmente não é apenas o Legolas, todos os Elfos neste filme não se comportam como os Elfos da Mitologia.
As personagens sabem o que não é suposto saberem, viajam em tempo supersónicos as mesmas distâncias que demoraram dias e semanas a viajar no primeiro filme.

"Aquilo" não faz sentido (dentro da mitologia dos próprios filmes)
"Aqueloutro" é só para fazer rir? Nem teve piada!
Um dos melhores momentos no livro é a interacção do Bilbo com Smaug, agarro no exemplo do primeiro filme e na cena dele com Gollum... Que está fantástica, neste...
Não, não está nem de perto com a qualidade que devia ter - pelo livro, pelo que fizeram no primeiro filme.

Mas acima de tudo, o que me deixou mesmo... Mesmo...

Vou deixar para o fim.

Smaug está fantástico, visualmente está fabuloso.
A piada do Legolas que fiz referência acima está mesmo muito boa.
A primeira parte da sequência dos barris é... ok.
A segunda parte da sequência é simplesmente fantástica, adorei!
Bard está perfeito,

É o pior de todos os filmes como já tinha dito. É um filme desconjuntado e os acrescentos são mais do que no primeiro filme notoriamente desnecessários, muito para encher chouriços e a duplicação da ameaça orc - agora dois orcs- para que existam duas cenas distantes com um antagonista fisicamente presente e ameaçador é simplesmente...
Preguiçoso.

Nota - 5 em 10.

Vejam o filme em casa a meio de uma maratona de filmes, no cinema só em 3D pela piada de ver o Smaug a andar de um lado para o outro.

Agora vamos ao momento que me deu vontade soltar um - Foda-se, estão a gozar comigo! - a meio do filme.

O momento... Twilight.


Portanto, estamos a meio de um filme sobre um livro fantástico chamado Hobbit, escrito pelo Sr. Tolkien que por sua vez é um dos nomes incontornáveis da cultura ocidental em que vivemos.
Temos um segmento "literário" derivado de donas de casa desocupadas que as gajas- ponho a culpa nelas - deram tamanho e importância ao comprarem os livros, deram receitas de bilheteira aos merdosos filmes que foram feitos sobre os mesmos livros.
Tornou-se moda o triangulo amoroso impossivel... Especies diferentes...
Peter Jackson decidiu criar personagens novas, o que por mim tudo ok, tranquilo.
Peter Jackson a meio do filme direcciona desnecessáriamente parte da história...
Foda-se para ele...

Um triangulo amoroso à twilight.


2 comentários:

Ulisses L disse...

Sou fã de Tolkien desde os meus 14 anos, o que quer dizer que já há quase 30 anos li pela primeira vez o "the Hobbit".
Fiquei muito agradavelmente surpreendido com o trabalho que Peter Jackson fez na triologia!
As espectativas pelo "the Hobbit" eram imensas!
Fui ver o primeiro filme na estreia...
...não vou ver mais nenhum! O nível de desapontamento foi demasiado grande!

:)

Hathor disse...

E eu a espera daquela emoção que senti nos primeiros filmes..... ohhhhhhhh foda-se.
Desisti, tinha planos para o ir ver ao cinema, já não vou.