quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Aramis...

Estava-me a correr mal o dia até que Ela me ligou.

Ela sabia que eu estaria cheio de fome depois do dentista e desafiou-me para um Bitoque (Ela sabe tão bem o que me põe quente... cabra) ali para os lados de censurado pertinho de casa dela.

O Bitoque estava divinal...

Ela estava um vagalhão de mulher...
Uma combinação assustadora de charme, sensualidade e... larica.

A sério! ela despachou o bitoque dela em metade do tempo que demorei a comer o meu.

E ainda me gamou batatas...

E pediu uma mousse.

( e não meteu daquelas paneleirices de adoçante no café...)

Adiante...

Saídos do restaurante, tivemos a sorte de não chover - porque aqui o Vosso mais que tudo acha que apanhar uma molha é de macho e ela achou a distância tão curta do Restaurante até sua casa que um casaco quente servia.

Sou uma besta, mas também um cavalheiro.
Acompanhei-a à porta e quando Ela me explicava a importância de qualquer coisa que eu não estava a dar atenção porque o casaco quente tinha-se aberto e eu senti-me obrigado- diria até que fui coagido - a contemplar o recheio do casaco...

(Que via-se que era de bom material, quente... o casaco!!!)

(É importante um casaco quente para evitar constipações e eu não queria obviamente que ela se constipasse, como sou bom amigo fiquei naturalmente satisfeito por Ela ter o casaco abert... o casaco vestido e...)

Adiante André...

... E quando ela me explicava o decot.. qualquer coisa, sai do prédio dela um vizinho com o Cão.

- Olha o Aramis! - diz ela ao reconhecer o rafeiro

O rafeiro reconheceu a vizinha, aproxegou-se sem trela - enquanto o dono dava atenção ao telemóvel - contente e pimpão a pedir festas.

Ela afagou-lhe o lombo, o Aramis gostou - eu não me queixei já que quando se agachou para cumprimentar o Cão eu fui prendado com um ângulo superior do "forro do casaco".

Feitas umas quantas festas na criatura, Ela levantou-se e voltou a fitar-me ao nível dos olhos...

O Aramis continuava a pedir-lhe afecto...

Primeiro roçou o lombo entre as pernas dela, depois o focinho... e depois...

Depois ergeu-se levantando as patas da frente...

Encaixando-as na perna dela...

Empolgando-se...

Demonstrando-lhe que o seu amor ultrapassava barreiras com a hora lugar ou espécie animal...

- Aramis... ARAMIS!!! ARAMIS TÁ QUIETO!!! ANDRÉ AJUDA-ME!!!

E eu...

Eu ri-me...

Eu ri-me tanto que me engasguei.. mas estava triste porque sabia que o Amor deles não podia ser, não seria aceite nunca pela sociedad...

- TIRA-ME O ARAMIS DA PERNA FODA-SE!!!

E pronto.

Deixei passar uns segundos e tirei-lhe o Aramis da perna pela nuca.

Agora que penso nisso...

Hoje foi um grande dia.

4 comentários:

Morce disse...

já arranjavam era um nome decente para o cão. De resto, perfeito!

Gasper disse...

Ahahaa o Aramis a demonstrar o seu amor.

Pusinko disse...

ahahahhah :)
Gostei deste post. Da forma como escreveste! E de teres amigas que marcham bitoques com a mems pinta com que o casaco se lhes abre :) E sem paneleirices de adoçantes no café (eu tomo sem açúcar directo porque gosto do pastel de nata a acompanhar)

M disse...

Eu tive um cão quando era pequena, o Napoleão, que demonstrava o seu amor pelas pessoas de igual forma.
Recordo-me de uma vez em particular, em que em me encontrava de gatas, a procura de sabe-se lá quê, e o Napoleão lembrou-se de demonstrar afecto comigo nessa posição.
E não quero falar mais disto.