terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

R.

Estava sentado há pelo menos uma hora e meia naquela mesa do café. Tinha - finalmente - vencido a última página do livro O retrato de Dorian Gray que estava tão bem escrito como pecava de um atroz erro logo a começo de partir do principio que Dorian iniciava a história sendo boa pessoa, o que não era o caso.
Talvez isso lhe tenha dificultado a leitura, mas era passado agora.
Organizou os pertences sobre a mesa, desarrumou os mesmos depois, pareceu-lhe doentio tudo tão alinhado e simétrico, tinha que dar uma de rebelde, entortando o bloco onde desenhava ligeiramente para a esquerda.
Realmente, muito rebelde, era daquelas pessoas que gosta é de ver o mundo em chamas...
Olhou para o relógio, ela tinha pelo menos mais meia hora de trabalho até sair, ele tinha o rabo confortável e até gostava da música que tocava à sua volta, Nina Simone era sempre perfeito fosse para o que fosse, melhor ser o que era - fundo de um desenho que descobria sobre o papel.
Quando a porta do café se abriu, ao contrário de todas as outras vezes que tal acontecera desde que chegara ao café, sentiu um impulso de ver quem chegava.
Ela entrou sem esperar que o namorado lhe abrisse a porta, gesticulava e falava e calou-se quando escutou a música

- Ah... isto é... Wild is the wind!

- Não conheço- respondeu-lhe o namorado

- Nina Simone...

- Não gosto...

- Isso era motivo para divórcio com justa causa Joana...

Viraram-se ambos para a mesa onde ele se encontrava, ambos pararam de sorrir.

- Olha tu...

- Olha vocês... desculpa - disse fitando o namorado da sua ex namorada - Nina Simone... Oh pá, há coisas que não! - estendeu-lhe a mão, sincero e sincero a mão do seu sucessor com a Joana fechou-se na dele, sorrindo.

- Eu sei que a falha é minha... estás bom?

- Estou sim, melhor que o teu Sporting...

- Olha - disse Joana, interrompendo - não comeces... deixa o Sporting dele sossegado, coitado... dás-me uns minutos com ele? vais-te sentando e pedes-me um chocolate quente e já lá vou ter? - finalizou com um beijo nos lábios do namorado.

- Não vás! não me deixes aqui com ela...

- Ah ah! bem feita... até já.

Ficaram sós, ela sentou-se.

- Vens para o café com o teu namorado e sentas-te na mesa com o teu ex?

- É temporário, estamos à espera de mais pessoas para jantar... queria falar contigo de uma coisa...

- Medo...

- Já viste o puto da Inês?????

- Que gaja! sim, já, não me perguntas se tou bem, mas queres falar comigo da Inês que andou a parir... espera... tu foste... tu foste ver... aposto, aposto que foste ver ao Facebook se o puto era parecido comigo...

- Até tu foste ver se ele era parecido contigo!

- Confere, mas olha que só com vontade não se engravida que eu e a Inês nunca...

- Eu sei, não percebi. Achei sempre que depois de eu e tu... finito, pensei que tu e ela iriam se enroscar e...

- Também pensei isso, funcionávamos bem, acho que ela também pensou mas...

- Mas depois tu conheceste a R...

- Hey!

- Hey nada, odeio-a, foda-se, odeio aquela gaja...olha, tá a tocar a Lover, you should have come over my shoulder...

-Queres ir dançar a música comigo? à frente do teu namorado? ele parece-me tão... confortável...

- Isso quer dizer o quê?

- Confortável, seguro, uma camisola de lã com renas que usas na noite de natal... boa pessoa...

- Ele é... trata-me bem, gosto dele, muito.

- Fico feliz por ti, e sabes que estou a ser sincero...

- Porquê que foste namorar com aquela gaja?

- Precisas de levantar a voz? Porque me apaixonei por ela, porquê que te faz tanta comichão?

Encostou-se na cadeira, cruzou os braços, disse-lhe que não lhe ia responder a isso.
Imitou-a, encostou-se na cadeira, cruzou os braços e fez beicinho.

- Fode-te...

- És sempre uma mulher tão ternurenta... o teu namorado tá à espera... aquilo é uma camisola de lã que tem vestida?

- Sim, sem renas.

- Gosto dele, acho que vais ser feliz.

- Obrigado, tu...

- Não sou confortável?

- Não, não és, nunca ficaste.

- TU MANDASTE-ME EMBORA! TRÊS VEZES! e desculpa... pedi para não levantares a voz... foda-se, que raiva que me dás...

- E tu devias... ter ficado... mesmo depois de te mandar embora...

Fitaram-se.

- Fazes-me um favor? não, dois?

- Diz-me, o que queres Joana... hey, não chores... que não te posso abraçar...

- Não tens camisola de lã para seres fofo... falas com ele enquanto me recomponho? só uns dois minutos...

- Certo, estranho, mas certo... e o segundo?

- Aconteça o que acontecer... tu não ficas com a R...

- Hey! que merda de...

- Sabes porquê que não gosto dela? eu digo-te, não gosto porque ver-te com ela... foi ai que senti que... já não eras meu, que tínhamos chegado ao fim... é por isso que a odeio profundamente... isso e ela ter aquelas mamas simplesmente fantásticas... puta.

Levantou-se, deu a volta à mesa, baixou-se e beijou-a na testa.

- Dois minutos! senão começo a fazer piadas sobre o teu mau feitio.

-

Sentou-se na mesa onde o seu sucessor estava.

- Desculpa, eu e ela... temos uns certos tópicos problemáticos que dá sempre asneira...

- Eu percebo, fico meio desconfortável, admito, mas percebo.

- Desconfortável?

- Que tu mexas com ela, óbvio.

- Eu não mexo com ela, irrito-a, é diferente!

- Eu também a irrito! a toda a hora, aliás, tu deves ser o gajo que melhor sabe lidar com ela... alguma dica?

Fitou-o, a pergunta era metade desespero, metade curiosidade.

- Queres mesmo que responda a isso?

- Dava jeito... eu não sei lidar com ela quando ela... explode, e depois eu faço...

- Tenho três coisas que te posso dizer...

- Só três?

- Acho que chegam...

- Diz-me.

- A primeira coisa...olha para ela, agora, olha e interioriza que ela é o teu topo, não vais encontrar nunca uma mulher acima dela e não te podes nunca esquecer disso... mas não a trates como tal, só aos fins de semana ou em dias em que ela saia mais cedo, calma, eu explico...

- Dava jeito, não percebi

- Tratas-a sempre, sempre bem, mas sem exagero senão ela sufoca, enjoa e ganha diabetes de ti, de seres tão doce e foge. Fazes é com frequência com que ela se lembre porquê que te escolheu a ti, seja porque te aninhaste com ela no sofá ou porque a beijaste sem ela estar à espera e ficaste por lá mais tempo, deixa-a sem saber quando é que ela te exalta e faz passar da cabeça.

- Ok... acho que percebi... mais coisas

- Quando ela te mandar embora, fica, mesmo que ela te mande embora a pontapé - fez uma pausa sublinhando que era algo plausível, ou no seu caso... recordação - sais de casa dela e ficas sentado do outro lado da porta da rua, aconteça o que acontecer, tu não vais embora, nunca!

- A terceira coisa...

- A terceira e última coisa... chocolates da Arcádia, ela vai-te perguntar sobre o que falamos, tu vais-lhe responder que me perguntaste por uma dica para lidar com ela, ela vai-se irritar primeiro, depois vai cruzar os braços e gaja como é, vai-te perguntar porque não aguenta não saber.... e tu vais-lhe responder que te dei a dica de lhe comprares chocolates da Arcádia que ela adora, e quando discutirem, porque vão discutir, tu vais dizer-lhe que até pensaste em comprar mas ficaste na dúvida se ela queria... e ela vai-te mandar à merda que nem devias ter perguntado... e depois compras, e à segunda ou terceira discussão... pumbas, fazes as pazes com isso... olha, ela vem ai... bora fingir que estamos a falar do Sporting?

- És um monstro...

- Já tou ok, então, estão a falar do quê?

- Do Sporting, e descobrimos que ambos partilhamos a paixão por musicais do Andrew Lloyd Webber...

- Sou louco pelo Fantasma da ópera! o meu sonho era fazer de Christine e estar no palco e...

- Fodam-se, os dois...

- Bem, eu vou-me embora, gostei de os ver aos dois, vou só apanhar as minhas coisas e estou de partida e tu já sabes, os dois em maio, londres, vamos juntos só os dois ver o Fantasm... hey! ele é teu namorado! bate nele! não a mim!

- Tu és...

- Adorável... encantador...

Deixou-os na mesa, vestiu o casaco, organizou o livro e o bloco onde não terminara o desenho e virou-se para sair. Parou, acenou-lhes e partiu.
Virou para a direita, começando a descer a rua, tirou a luva direita e marcou o número dela.

- Estou?

- Já despachada?

- Sim, já estou, vou ter contigo ao café?

- Não Isabel, eu vou ter contigo ai... agora...

- Isabel? mas que raio... nunca me chamas pelo segundo nome...

- Hoje apetece-me...

- Não gosto, chama-me como sempre... R...



2 comentários:

Never Told Words disse...

Gosto dos conselhos ao actual namorado :)

Hathor disse...

:) always